10.5.11

Um coração novo para uma sociedade nova

 Um ano depois da vinda do Papa, Bispos e Padres reflectem sobre o desafio da solidariedade perante a actual crise social baseada numa renovação espiritual.

Realizou-se esta Segunda-feira dia 9 de Maio na Quinta de Enxomil (Arcozelo, Vila Nova de Gaia) a XV JORNADA SOBRE QUESTÕES PASTORAIS, com a presença de perto de uma centena de sacerdotes de várias dioceses do Norte e Centro do país.

O tema desta Jornada esteve inspirado na coincidência de dois desafios que Bento XVI lançou aos cristãos: que os próximos sete anos sejam uma preparação para a celebração do Centenário das Aparições de Fátima, e o desafio da solidariedade cristã nos próximos (sete?) anos de “vacas magras” na economia.

Se, como dizia S. Josemaria Escrivá há já muitos anos «estas crises mundiais são crises de santos», Bento XVI propôs em Fátima o caminho da solução: «Com a família humana pronta a sacrificar os seus laços mais sagrados no altar de mesquinhos egoísmos de nação, raça, ideologia, grupo, indivíduo, veio do Céu a nossa bendita Mãe oferecendo-Se para transplantar no coração de quantos se Lhe entregam o Amor de Deus que arde no seu».

Assim, o Sr. D. Carlos Azevedo, Bispo Auxiliar de Lisboa e Presidente da Comissão Episcopal para a Pastoral Social falou sobre o modo de, como Pastores, ajudar os cristãos neste desafio, conhecendo e pondo em prática a Doutrina social da Igreja.

Da parte da tarde o Sr. Pe. Armindo Janeiro (actualmente Reitor do Seminário de Leiria-Fátima) ajudou a entender o plano de preparação para o Centenário, concretamente o tema deste ano, centrado na abertura à intimidade do Amor de Deus.

E para contactar com uma resposta não meramente “economicista” para a crise, houve a oportunidade de ver uma breve apresentação de um Programa de Defesa do Património espiritual levado a cabo pela Associação Portuguesa para a Cultura e o Desenvolvimento (APCD). É esta instituição leva a cabo em vários pontos do país iniciativas de formação profissional precisamente na área do apoio social, entre elas a Escola de Formação Profissional Arcomira, responsável pelo atendimento da Casa de Convívios e Retiros de Enxomil onde se realizou esta Jornada Pastoral.

Se na história Bíblica do Patriarca José, esses sete anos de vacas magras foram antecedidos (e aproveitados) de sete anos de vacas gordas, entre nós tal não aconteceu. Assim, em vez dos celeiros do Faraó cheios pela sabia previdência de José, estamos na bancarrota. Mas se tivermos em conta que estas crises são muito mais que meros erros técnicos, mas apontam para uma crise ética e espiritual, podemos transformar estes anos em anos de “vacas gordas” se soubermos mudar o nosso coração, abrindo-o à Mensagem que a Senhora de Branco deixou em Fátima, através do exemplo e do testemunho dos Pastorinhos.

Via P. Martinez