8.10.09

Comunicação institucional

Por vários motivos, tenho andado a ler artigos sobre a comunicação institucional na Igreja.

Quase por acaso, encontrei uma comunicação do Card. John Foley, Presidente emérito do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, num Congresso organizado pela Pontificia Universidade da Santa Cruz, em Roma.

Na sua intervenção, o Card. Foley afirma que "o primeiro princípio de qualquer comunicação, mas sobretudo da comunicação na Igreja, é nunca, nunca, nunca dizer uma falsidade". E continua: "quando se diz a verdade, não é necessário depois esconder-se; não é necessário de inventar mais mentiras que sejam compatíveis com a anterior. De facto, a verdade torna-nos livres".

A Igreja, continua o Prelado, "tem o dever de ter a certeza que aquilo que diz corresponde à verdade, e de formular os nossos discursos de modo a reflectir com precisão a verdade, evitando a tentação de transmitir rumores ou meras opiniões".

E termina, dizendo, que "o hábito de dizer a verdade é libertador. Quando uma pessoa possui a reputação de dizer a verdade, toda a verdade, e não apenas aquela que lhe convém, quando lhe convém e do modo que convém, cria-se uma maravilhosa atmosfera de confiança, e as pessoas tornam-se mais disponíveis para ouvir o que se lhe comunica, porque têm a certeza que não serão enganadas".