28.11.08

Mudam-se os tempos, mas não se mudam as vontades

Um dos maiores desafios com que lidamos todos os dias é a dificuldade em fazer passar a beleza da fé, com os seus conteúdos, às novas gerações. Pelos bancos das nossas igrejas, pelas mãos das nossas catequistas, pelas nossas mãos estão a passar gerações de novos pagãos que, por muitos motivos (entre os quais se encontra também a recusa voluntária) ainda não encontraram a Cristo.

Mas, à semelhança de outros tempos, esta crise não se resolve com os meios, mas sim mais a jusante. Resolve-se na fonte. É verdade que os destinatários da mensagem parecem encontrar-se noutra onda. Mas acho que uma parte muito substancial do problema está, também, em quem transmite a mensagem.

Por isso, a crise de educação na fé que atravessamos continua a ser uma crise de testemunho ou, como dizia S. Josemaria, uma crise de santos.