25.9.08

Fazer ressurgir o Douro

"As potencialidades da terra não podem limitar-se a beneficiar apenas alguns, a ser monopólio de poucos, acentuando assimetrias e desigualdades, com frequência, à custa do esforço dos que não auferem quaisquer vantagens, nem vislumbram uma réstia de esperança para a crise cada vez mais angustiante que experimentam. Oxalá estratégias de renovação que são apresentadas, sérias e reflectidas, façam ressurgir o Douro e erguê-lo dum declínio quase agonizante. Toda a programação, todos os projectos, todas as políticas têm de assentar em sólidos princípios de justiça e equidade, e proporcionar a todos, solidariamente, prosperidade, alegria e paz."

D. Jacinto Botelho, Homilia, 2008.09.21

Muito obrigado, Senhor


Senhor, muito obrigado por tudo. Apesar das minhas misérias, dos meus defeitos e das minhas faltas, continuas a ser Tu a fazeres tudo. Eu, tantas vezes, sou um estorvo para Ti.
Que todos aqueles que me encontrem, encontrem a Ti.
Que todos aqueles que me escutem, te escutem a Ti.
Que todos aqueles que precisem de mim, encontrem a Tua graça.
Obrigado, Senhor.

24.9.08

"Casamentos"

Nas últimas semanas, os meios de comunicação social, nomeadamente o Público, têm promovido uma série de notícias sobre a questão da união civil de pessoas do mesmo sexo.

No fundo, a estratégia é a mesma daquela que preparou a legalização do aborto. Durante vários meses, vai-se promovendo um conjunto de notícias, que promovem depois artigos de opinião, debates em fóruns, posts em blogs (como este), e o assunto vai começando a tornar-se natural.

O timing é perfeito: falta um ano para as eleições. O primeiro ministro, hoje, no Parlamento, afirma que "o assunto não está na agenda, nem do PS, nem do Governo". No entanto, nos próximos meses vamos ouvir falar tanto do assunto que acabará por constar no programa político dos dois maiores partidos em Portugal com que se apresentarão às próximas eleições. No início da próxima legislatura, o tema será apreciado pela Assembleia da República e, com o terreno preparado pela comunicação social, veremos o resultado.

O debate que se avizinha é, antes de mais, uma óptima oportunidade. Oportunidade de esclarecer as consciências, de dar formação, de redescobrir o que a Igreja ensina (e não o que a comunicação social diz que a Igreja defende). Mesmo que a batalha venha a ser perdida, muito bem pode advir deste debate.

A fé dos cristãos não nasce de um mito


Graças ao clima, de novo suave em Roma, a audiência geral desta quarta feira decorreu ao ar livre na Praça de São Pedro onde se encontravam cerca de 15 mil peregrinos e turistas.

Bento XVI que se deslocou ao Vaticano de helicóptero , proveniente de Castelgandolfo, apresentou uma ampla catequese sobre a figura de São Paulo, começando por salientar que o cristianismo não nasce de um mito mas do encontro com a pessoa de Jesus de Nazaré, Cristo ressuscitado.

Quanto mais procurarmos reencontrar as pegadas de Jesus de Nazaré nas estradas da Galileia - disse o Papa – tanto mais poderemos compreender que ele carregou sobre si a nossa humanidade, partilhando-a totalmente, excluindo o pecado.

Esta é uma convicção experimentada pessoalmente e testemunhada pelo próprio Apostolo Paulo, na importância que ele atribuía á tradição viva da Igreja.

Nesta perspectiva, esclareceu Bento XVI- é errada a visão de quem
atribui a Paulo a invenção do cristianismo: antes de evangelizar , encontrou Cristo no caminho de Damasco e frequentou na Igreja, observando-o na vida dos doze e naqueles que o seguiram nas estradas da Galileia.

Ilustrando a figura do Apostolo Paulo Bento XVI descreveu a concluir a sua maneira de relacionar-se com os Doze Apóstolos.
“ As relações tinham a chancela do profundo respeito e da franqueza que caracterizava São Paulo no anúncio do Evangelho”.

In Radio Vaticana

Nomeações

O Sr. D. Jacinto Botelho, Bispo de Lamego, fez várias nomeações. Aos sacerdotes que receberam novos encargos pastorais desejo as maiores felicidades na nova missão que lhes é confiada.

Nomeações>>

13.9.08

"Quaerere Deum"


"Procurar Deus", esse grande Desconhecido.

Num magistral discurso perante cerca de 700 pessoas ligadas ao mundo da cultura, entre as quais se encontravam Giscard d'Estaing e Jacques Chirac, o Santo Padre, com a sua simplicidade, falou sobre as raízes cristãs da Europa e da necessidade de o mundo ocidental voltar a redescobrir esse Deus desconhecido, que Paulo anunciou aos gregos, em Atenas.

"“Uma cultura unicamente positivista, que remetesse para o domínio puramente subjectivo, como não científica, a questão sobre Deus, seria a capitulação da razão, a renúncia às suas mais elevadas possibilidades e portanto o malogro do humanismo, cujas consequências poderiam ser graves.
O que fundou a cultura da Europa, a busca de Deus e a disponibilidade para O escutar, permanece ainda hoje em dia o fundamento de toda a verdadeira cultura”