30.7.08

Agimus tibi gratias!


Três anos de sacerdócio! Quantas graças, Senhor, tenho a agradecer-Te. Sou consciente que todos os milagres aos quais assisto são obra Tua. Da minha parte, apenas tantas resistências à Tua graça, tanta falta de fé e tantas misérias.

Mas assim é para que fique claro que és Tu que actuas, que a glória é Tua. E vou repetindo: 'Non nobis, Domine, non nobis, sed nomine tuo da gloriam'.

E dou-me conta, com renovado vigor, que a missão do sacerdote é astare coram te et tibi ministrare. Por isso, nós 'Vos damos graças porque nos admitistes à vossa presença para Vos servir nestes santos mistérios'.

28.7.08

A 'questão' de Deus


«Muitas vezes, porém, encontramo-nos imersos num mundo que quereria pôr Deus «de parte». Em nome da liberdade e autonomia humanas, o nome de Deus é passado em silêncio, a religião fica reduzida a devoção pessoal e a fé é banida da praça pública. Por vezes uma semelhante mentalidade, tão radicalmente contrária à essência do Evangelho, pode mesmo ofuscar a nossa própria compreensão da Igreja e da sua missão. Também nós podemos ser tentados a reduzir a vida de fé a uma questão de mero sentimento, enfraquecendo assim o seu poder de inspirar uma visão coerente do mundo e um diálogo rigoroso com tantas outras perspectivas que lutam por conquistar as mentes e os corações dos nossos contemporâneos.

E todavia a história, incluindo a do nosso tempo, demonstra-nos que a questão de Deus não pode jamais ser silenciada, e também que a indiferença face à dimensão religiosa da existência humana em última análise diminui e atraiçoa o próprio homem. A fé ensina-nos que em Jesus Cristo, Palavra encarnada, chegamos a compreender a grandeza da nossa própria humanidade, o mistério da nossa vida sobre a terra e o sublime destino que nos espera no céu (cf. Gaudium et spes, 24).»

Bento XVI, Homilia, 2008.07.19

26.7.08

Humanae vitae, 40 anos


«Passaram 40 anos sobre este Documento do Magistério da Igreja. Como é sabido o Papa Paulo VI agradece no texto o contributo da Comissão constituída em Março de 1963, por João XXIII, bem como os contributos dos Bispos mas reservou para si a última palavra. "Porque tinham aflorado alguns critérios de soluções que se afastavam da doutrina moral sobre o Matrimónio, proposta, com firmeza constante, pelo Magistério da Igreja."
Para orientação dos seus membros, baptizados, escreve esta Encíclica.

A referida doutrina moral da Igreja assenta, basicamente, em 4 vectores:

- O amor conjugal é um amor plenamente humano, isto é, sensível e espiritual.

- O amor conjugal é total, é dádiva mútua

- O amor conjugal é fiel, exclusivo, até à morte

- E é fecundo, está ordenado para a procriação e a educação dos filhos.


No ensinamento do Magistério da Igreja, o matrimónio é, simultaneamente, unitivo dos esposos e procriador como consequência da união.

Ao proclamar e reiterar este ensinamento o Magistério exclui quaisquer considerações médico-biológicas ou sociológicas.

A "Humanae Vitae" considera, contudo, que os esposos podem usar para as suas uniões corporais os períodos infecundos naturais "e, deste modo, regular a natalidade sem ofender os princípios morais" que a Humanae Vitae recorda e reitera.

Portanto, o casal católico, "quando existam motivos sérios para distanciar os nascimentos" a Igreja permite que os esposos realizem a finalidade unitiva do matrimónio, mesmo escolhendo dias nos quais o carácter procriativo estará ausente.»

In Agência Ecclesia

Há poucos documentos pontifícios tão claramente contestados como esta encíclica do Papa Paulo VI. Por isso, vale a pena reler, meditar e, talvez, dar a conhecer.

Encíclia Humanae Vitae, de Paulo VI

19.7.08

Vigília de Oração das Jornadas Mundiais da Juventude


«Nesta noite, fixamos a nossa atenção sobre «como» tornar-se testemunhas. Precisamos de conhecer a pessoa do Espírito Santo e a sua presença vivificante na nossa vida. Não é fácil! Com efeito, a variedade de imagens que encontramos na Escritura relativas ao Espírito Santo – vento, fogo, sopro – são sinal da nossa dificuldade em exprimir uma noção articulada sobre Ele. E todavia sabemos que é o Espírito Santo, silencioso e invisível, quem proporciona orientação e definição ao nosso testemunho sobre Jesus Cristo.»

Na noite da Vigília das Jornadas Mundiais da Juventude, em Sydney, na presença de cerca de 200 mil jovens, o Santo Padre falou da importância do Espírito Santo na vida do cristão.

Foram várias as coreografias feitas no palco antes do Santo Padre chegar ao recinto.

Depois de ele chegar, deu-se início à oração da Vigília. Foram lidos vários testemunhos de jovens de várias partes do mundo e foram apresentados aqueles que, na Santa Missa que conclui as Jornadas Mundiais da Juventude, irão receber o Sacramento da Confirmação.

Depois do discurso do Santo Padre aos jovens, foi o momento da adoração eucaristica, com o Santíssimo Sacramento exposto.

Discurso do Santo Padre aos jovens>>

Vigília de Oração


Este sábado, pelas 19.00h na Austrália (10.00h em Portugal), o Santo Padre participa na vigília de oração que prepara o último dia das Jornadas Mundiais da Juventude.

O Papa, neste momento, faz o seu discurso aos jovens, depois das orações iniciais.

18.7.08

Santo Padre dedica o novo altar da St. Mary's Cathedral


O Santo Padre Bento XVI, na Santa Missa que celebrou na Catedral de Santa Maria, em Sydney, nesta sexta feira, dedicou o novo altar da Catedral.

Perante uma Catedral totalmente repleta com seminaristas e consagrados(as), o Santo Padre não teve medo em pedir desculpa pelos abusos sexuais cometidos contra menores por parte de alguns sacerdotes australianos, nas décadas passadas.

Além disso, animou todos os presentes a uma fidelidade a Cristo e à sua doutrina, num compromisso radical, para toda a vida.

Santo Padre encontra jovens de uma comunidade de recuperação

Bento XVI manteve esta sexta-feira um encontro com jovens que integram uma comunidade de recuperação e os convidou a serem testemunhas de esperança para outros jovens em situações difíceis.

O Papa compartilhou, na igreja da Universidade Notre Dame, em Sydney, alguns momentos com este grupo de rapazes e moças que, apesar de suas jovens vidas, já atravessaram duras experiências.

Escutou dois testemunhos deles: vidas marcadas pelo álcool, as drogas ou pela tentação do suicídio.

Samantha Gerdes, de origem filipina, descobriu após a morte de seus pais que tinha sido adoptada. Ao regressar a sua família biológica, sofreu abusos de seus irmãos e maus-tratos de sua mãe.

Seguindo para a Austrália, em plena solidão, sentiu a tentação do suicídio. Foi salva graças ao encontro com a Igreja e o ingresso na comunidade. Como ela revelaria depois aos jornalistas, o Papa lhe dirigiu algumas palavras pessoais para alentá-la em seu novo caminho.

O outro jovem que tomou a palavra foi Andrew Holmes, que deixou para trás uma vida arruinada pelo álcool e as drogas. “Mas hoje tudo mudou”, afirmou, ao contar sua breve biografia.

Os jovens formam parte do programa de reabilitação “Alive”, gerenciado pela Agência de Serviços Sociais da arquidiocese de Sydney. O Papa queria com este encontro mostrar que a JMJ é também para jovens em dificuldades e escolheu como momento mais adequado a tarde de sexta-feira, dia em que os peregrinos recordaram com a Via-Sacra a memória da paixão e morte de Jesus.

Em suas palavras aos jovens, o Santo Padre constatou que seguramente hoje eles se arrependem de ter tomado decisões que, ainda que no passado se apresentavam como muito atraentes, os levaram “apenas para um estado ainda mais profundo de miséria e solidão”. “A decisão de abusar de droga ou álcool, de entrar em atividades criminosas ou autolesivas pôde então aparecer como um caminho para sair duma situação de dificuldade ou de confusão”, reconheceu. “Agora sabeis que, em vez de trazer a vida, levou à morte.” Por isso, suas palavras se converteram em um reconhecimento da “coragem demonstrada quando decidistes regressar ao caminho da vida”.

O pontífice assegurou que os vê como “embaixadores de esperança para quantos se encontram em idênticas situações”. “Podeis convencê-los da necessidade de optar pelo caminho da vida e fugir do caminho da morte, porque falais com base na experiência”, afirmou, apresentando-lhes o seguimento de Jesus como opção de vida. Jesus “acolhe-vos de braços totalmente abertos --sublinhou. Oferece-vos o seu amor incondicional: e é na profunda amizade com Ele que se encontra a plenitude da vida”. Este caminho, segundo o Papa, é um “programa consolidado no íntimo de cada pessoa”. Implica “estar dispostos a renunciar às nossas preferências para nos colocarmos ao serviço dos outros, dar a nossa vida pelo bem dos outros e, em primeiro lugar, por Jesus que nos amou e deu a sua vida por nós”. “Isto é o que os homens são chamados a cumprir; é o que significa estar realmente «vivo».” O bispo de Roma concluiu sintetizando suas palavras com a mesma mensagem que Moisés formulou há tantos anos: «Escolhe a vida, para que possas, tu e a tua posteridade, viver amando o Senhor teu Deus».

In Zenit

Via Sacra em Sydney



Bento XVI começou a tarde de hoje com uma oração, para dar início à representação das estações da Via Sacra por parte de aproximadamente 100 atores em Sydney, onde ele preside a Jornada Mundial da Juventude, que reúne cerca de 225 mil jovens peregrinos do mundo inteiro.

Os actores representavam a Última Ceia, sentados nos degraus da catedral de Santa Maria, quando o Papa saiu pela porta do templo para pronunciar a breve oração.

O pontífice acompanhou as outras estações pela televisão, na cripta da catedral. Quatro mulheres indígenas choraram por Jesus de Nazaré, em outro momento da Via Dolorosa.

Através dos numerosos ecrans que retransmitiram o espetáculo em parques e praças de Sydney, o Papa havia visto a ùltima Ceia na catedral de Santa Maria, na qual Alfio Stutio, um ator australiano de 27 anos, representou Jesus, partindo o pão para partilhá-lo com os apóstolos. A 7ª estação da Via Sacra continuava no telão, e os presos romanos, entre eles Simão, estavam representados, assim como as mulheres de Jerusalém, por indígenas australianos. Os atores usaram peles de cangurus e pintaram o rosto e a pele com cinzas, um sinal de luto na tradição indígena; e enquanto esperavam a chegada de Jesus ao cais, fizeram uma dança tradicional do norte da Austrália.

In Zenit

Doze jovens almoçam com o Santo Padre

O almoço que Bento XVI ofereceu nesta sexta-feira a doze jovens, de todos os continentes, serviu para confirmar algo que já sabia: em alguns países, ser jovem é muito difícil. Durante a refeição, que ocorreu na sala de visitas da residência da catedral de Sydney, dez dos jovens representavam os cinco continentes. Os outros dois representavam a Austrália, país anfitrião das Jornadas Mundiais da Juventude.

Fidel Mateos Rodríguez, leigo, de 25 anos, da diocese de Salamanca (Espanha), explicou depois que durante o almoço, cada um dos convidados pôde falar de sua situação pessoal em seus países. O Papa, em especial, «mostrou muito interesse pelos testemunhos dos jovens asiáticos e africanos», dois continentes nos quais é difícil viver a fé católica. A outra representante do continente europeu, a francesa Marie-Bénédicte Esnault, de 22 anos, reconhece que escutando a seus companheiros de mesa pensou que eles, «que vivem em países de antiga tradição cristã são muito afortunados». Jean Fabien Muaka Baloza, da República Democrática do Congo, de 29 anos, considera que a sua «conversa foi como com um pai de família». «Escutou e nos deu sua bênção», contou. Jean Fabien convidou o Papa a visitar a África para que «se dê conta de certas realidades educativas. Temos necessidade de sua influência», continuou.

Craig Ashby, australiano e representante do povo aborígene, narrou ao Santo Padre a discriminação que seu povo ainda vive. O Papa respondeu que a chave para resolver isso está na educação. Gabriel Nagile, de Papua Nova Guiné, conta que também falou dos jovens de seu país e da necessidade urgente de que possam descobrir uma vida espiritual que lhes liberte dos graves perigos que correm. Helena de Souza, do Timor Leste, de 25 anos, falou com o pontífice da violência em seu país. O Papa se interessou por sua situação, recordando que em janeiro deste ano recebeu seu presidente, José Ramos-Horta.

Ao final do encontro, o Papa presenteou a cada jovem com um rosário e uma medalha comemorativa da Jornada Mundial da Juventude. Cada jovem lhe trouxe um presente, como é o caso do norte-americano Armando Cervantes, de origem mexicana, que deu ao Papa um boné com orelhas de Mickey Mouse. Representando o Brasil esteve presente Jorgiana Aldren Lima de Santana, de 26 anos. Outros países representados foram a Nova Zelândia, a Nigéria e a Coréia do Sul. «Sem dúvida foi uma vivência inesquecível que reafirma minha fé em Deus e na Igreja, e me serve como reconhecimento do trabalho que realizo junto aos jovens durante todos estes anos», conlui Fidel Mateos.

In Zenit

Encontro Ecuménico do Santo Padre


Bento XVI deixou hoje na Austrália um apelo ao diálogo entre religiões, num encontro mantido com vários líderes das comunidades religiosas neste país, aos quais se apresentou como “um embaixador da paz”.

“Queridos amigos, vim à Austrália como embaixador de paz. Por isso, sinto-me feliz por me encontrar convosco, que de igual modo partilhais este anseio e conjuntamente o desejo de ajudar o mundo a conseguir a paz”, afirmou.

“Num mundo ameaçado por sinistras e indiscriminadas formas de violência, a voz unida daqueles que possuem espírito religioso incita as nações e as comunidades a resolverem os conflitos através de instrumentos pacíficos no pleno respeito da dignidade humana”, disse ainda.

O Papa assegurou que “é com paixão que a Igreja procura toda a oportunidade para prestar ouvidos às experiências espirituais das outras religiões. Poderemos afirmar que todas as religiões visam penetrar no significado profundo da existência humana, remetendo para uma origem ou princípio externo a elas mesmas”.

Falando na sala capitular da Catedral de Saint Mary, Sidney, o Papa saudou os presentes e agradeceu as palavras de boas-vindas do Rabino Jeremy Lawrence e do Xeque Femhi Naji El-Imam.

Bento XVI sublinhou que a Austrália é um país que “tem em grande consideração a liberdade de religião”.

In Agência Ecclesia

Discurso do Santo Padre no encontro ecuménico>>

17.7.08

Santo Padre recebido em Sydney


Bento XVI foi recebido esta Quinta-feira num ambiente de festa pelas muitas dezenas de milhares de jovens que se encontram em Sidney para celebrar a Jornada Mundial de Juventude 2008.

Num longo discurso, o Papa aproveitou este contacto inicial para deixar desafios aos presentes, sobretudo em relação à dignidade humana, à violência e à defesa da natureza.

Disse o Santo Padre: "Há quase dois mil anos, os Apóstolos, reunidos na sala superior da casa juntamente com Maria (cf. Act 1, 14) e algumas mulheres fiéis, ficaram cheios de Espírito Santo (cf. Act 2, 4). Naquele momento extraordinário que marcou o nascimento da Igreja, a confusão e o medo, que se tinham apoderado dos discípulos de Cristo, transformaram-se numa convicção vigorosa e na certeza de um objectivo. Sentiram-se impelidos a falar do seu encontro com Jesus ressuscitado, que afectuosamente já tratavam por Senhor. Na sua diversidade, os Apóstolos eram pessoas comuns. Nenhum podia afirmar que fosse o discípulo perfeito. Não tinham conseguido reconhecer Cristo (cf. Lc 24, 13-32), deveriam envergonhar-se da sua ambição (cf. Lc 22, 24-27), tinham-No até negado (cf. Lc 22, 54-62). E todavia, quando ficaram cheios de Espírito Santo, sentiram-se trespassados pela verdade do Evangelho de Cristo e inspirados a proclamá-lo sem medo."

In Agência Ecclesia

Discurso do Santo Padre aos jovens>>

Santo Padre no Government House

Na quinta feira de manhã, o Santo Padre foi recebido pelas autoridades civis no Government House.

Na sua intervenção, o Santo Padre disse: "Alguém poder-se-ia perguntar pela razão que impele milhares de jovens a empreenderem uma viagem – para muitos deles – longa e cansativa, a fim de poderem participar num acontecimento deste género. Desde a primeira Jornada Mundial da Juventude, em 1986, ficou patente que um grande número de jovens aprecia a oportunidade de se encontrar para juntos aprofundarem a própria fé em Cristo e partilharem uns com os outros uma jubilosa experiência de comunhão na sua Igreja. Anelam por ouvir a palavra de Deus e aumentar os conhecimentos a respeito da sua fé cristã. Anseiam por tomar parte num acontecimento que ressalta os grandes ideais que os inspiram, e voltam depois para suas casas repletos de esperança, com uma renovada decisão de construir um mundo melhor. Para mim, é uma alegria estar com eles, rezar com eles e celebrar a Eucaristia juntamente com eles. A Jornada Mundial da Juventude enche-me de confiança no futuro da Igreja e no futuro do mundo de todos nós."

Depois, o Santo Padre encontrou-se ainda com o Governador Geral na Admiralty House e com o Primeiro-Ministro.

Discurso do Santo Padre >>

16.7.08

O Santo Padre já chegou à St. Mary's Cathedral House


Bento XVI partiu hoje do Kenthurst Study Center de Sidney, residência do Opus Dei onde se encontrava a descansar desde a sua chegada à Austrália, no passado Domingo.

A Santa Sé anunciou que o Papa se transferiu para a Cathedral House da cidade australiana, que será a residência papal desta segunda parte da viagem apostólica, que se inicia Quinta-feira com a cerimónia de boas-vindas na Government House (09h00 locais, 23h00 de Quarta-feira em Lisboa).

Horas depois, o Papa chegará de barco ao porto de Barangaroo East Darling, entre danças e cantos tradicionais. A festa de acolhimento dos jovens acontece às 05h30 de Lisboa.

Em Sidney começa a repetir-se a expressão "Super Thursday", a super Quinta-feira que se espera na "estreia" de Bento XVI na Jornada Mundial da Juventude 2008, inaugurada na passada Terça-feira pelo Cardeal Pell, Arcebispo local, com quase 150 mil jovens. Ao longo da semana continuarão a chegar peregrinos de cerca de 200 países de todo o mundo.

In Agência Ecclesia

Ler mais>>
Galeria Fotográfica da Missa Inaugural das JMJ

Últimas horas de repouso antes de entrar em cena


O Santo Padre entrou na fase final do seu repouso antes de tomar parte activa nas Jornadas Mundiais da Juventude.

O segundo dia no Kenthurst Study Center foi de descanso, de oração e estudo, além de ter servido para resolver alguns assuntos relacionados com a vida da Igreja.

Durante a manhã, o Santo Padre enviou mais um sms aos jovens presentes em Sydney: "O Espírito Santo deu aos Apóstolos e dá-te a ti o poder de proclamares que Jesus Cristo ressuscitou", BXVI.

Um dos momentos mais caricatos do dia, foi quando apresentaram ao Papa um koala de pescoço vermelho, o que muito divertiu o Pontífice.

Pelas 17.30h (hora local da Austrália, 08.30h de Portugal), o Santo Padre será levado, de carro, para a St. Mary's House, no centro de Sydney, residência do Cardeal G. Pell, onde ficará hospedado até ao final da sua estadia na Austrália.

O programa de amanhã será o seguinte:

7.30 Missa privada na Capela da St. Mary’s Cathedral House

9.00 Cerimónia de boas-vindas na Government House. Discurso

9.30 Percurso de carro

9.45 Visita de Oração ao "Mary MacKillop Memorial"

10.00 Percurso de carro

10.05 Visita de cortesia ao Governador Geral na Admiralty House. Encontro com o Primeiro-Ministro

11.05 Percurso de carro

11.30 Chegada à St. Mary’s Cathedral House

14.20 Cais de Rose Bay. Breve recepção com danças e cantos tradicionais por parte de aborígenes

14.45 Embarque no barco "Sydney 2000"

15.30 Chegada ao cais de Barangaroo East Darling Harbour. Festa de acolhimento dos jovens. Discurso

16.45 Percurso de carro panorâmico

17.30 Chegada à St. Mary’s Cathedral House

Santa Missa inaugural das JMJ

15.7.08

Cardeal G. Pell celebra a Santa Missa inaugural das JMJ


O Card. George Pell, Arcebispo de Sydney, celebrou a Santa Missa com a qual teve o seu ínicio oficial as Jornadas Mundiais da Juventude.

Perante uma assistência de milhares de jovens no porto de Sydney, onde se incluía o primeiro ministro australiano, Kevin Rudd, o Cardeal Pell «partiu da imagem evangélica do “Bom pastor” e da “ovelha perdida”, frisando que a mensagem de Cristo se dirige a todos, “em especial aos que não têm religião”.

O Arcebispo de Sidney convidou os presentes a estarem “sempre abertos” ao Espírito Santo, na linha do que tem sido a preparação para a JMJ 2008, sempre dedicada à reflexão sobre a terceira pessoa da Trindade.

D. George Pell pediu aos jovens para não se deixarem dominar pelo conformismo: “Não passeis a vida sem tomar posição, pensando que é melhor não escolher, porque é dando atenção aos compromissos assumidos que podereis viver em plenitude”.»

Após a Missa, iniciam-se os eventos do Festival da Juventude, um pouco por toda a cidade. Mais de 165 concertos ao ar livre terão lugar durante a próxima semana, incluindo os mais variados géneros: Heavy metal, acid jazz, reggae, rap, Gospel e Gregoriano.

Além de figuras como Damien Leith, Guy Sebastian, Paulini, Tap Dogs, Diesel, Vanessa Amorosi e Joseph Gateau, os palcos contarão com alguns dos artistas cristãos mais importantes do momento.

In Agência Ecclesia

Ler mais>>
Vídeo da Santa Missa

14.7.08

O primeiro dia do Santo Padre na Austrália


O Pe. Frederico Lombardi, porta voz do Vaticano, contou aos jornalistas como foi o primeiro dia que o Santo Padre passou no Kenthurst Study Center.

A intervenção do Pe. Lombardi surgiu na sequência de um vídeo, mostrado aos jornalistas, com um resumo do primeiro dia do Papa na Austrália.

"As imagens que vêm da Austrália são serenas. O Santo Padre é tranquilo e repousou. Ainda que alguém tenha levantado dúvidas sobre o estado de saúde do Papa, devo assegurar que não há qualquer tipo de problemas".

"Ontem, o Papa chegou a Kenthurst por volta das 16.00h. Pelas 18.00h, celebrou a Santa Missa e depois jantou e repousou. Esta manhã, celebrou a Santa Missa com o pessoal que o acompanha, cerca de 10 pessoas. Concelebraram o Secretário e dois sacerdotes do Opus Dei. Depois do pequeno almoço, deu um primeiro passeio e retirou-se depois, como é costume todas as manhãs.

Pouco depois das 13h, chegaram o Cardeal G. Pell e o Bispo A. Fisher, que almoçaram com o Papa, e falaram sobre os últimos preparativos. Depois do almoço, o Santo Padre realizou o já habitual passeio, que todos os dias faz com os seus secretários. Depois, mais um período de trabalho. Pelas 16h, um encontro um pouco mais longo com o Card. Pell.

No recinto, há um pequeno lago e uma pequena capela, onde o Santo Padre ficou a rezar o terço. às 17h houve um concerto, com a presença do Bispo de Sydney e do Bispo Auxiliar, D. Fisher. Foram tocadas músicas de Schumann, Mozart e Schubert. O concerto terminou por volta das 18h e, uma hora depois, a ceia."

Inscrições aumentam a cada hora

O Bispo Auxiliar de Sydney, D. Anthony Fischer deu uma conferência de imprensa há poucas horas dizendo que os números de jovens que estão a chegar à Austrália superam em muito os números previstos. "Continuam a chegar jovens de todos os lados em tal número que é imprevisível saber até onde chegaremos. A todas as horas há jovens a bater às portas das Igrejas, nos locais de acolhimento e nos sítios de inscrição dos quais não havia qualquer registo e que querem participar nas Jornadas", disse este responsável pelas JMJ.

Mensagem do Santo Padre aos australianos


"Há muitos jovens sem esperança. Sentem-se perplexos perante as questões cada vez mais insistentes que se apresentam. Não sabem a quem dirigir-se para obter as respostas. Não sabem como responder a quem nega a existência de Deus. Vêem os grande danos que a avidez humana provoca no meio ambiente e lutam para encontrar caminhos que lhes permitam viver em maior harmonia com a natureza e com os outros”.

Este é uma parte do conteúdo de uma mensagem que o Santo Padre enviou aos autralianos que esperam por vê-lo. Na sequência da sua última encíclica, o Papa convida os jovens à esperança.

Ler mais >>

A cruz das JMJ foi recebida em Sydney


A cruz que acompanha as JMJ foi recebida em Sydney, transportada num barco que deu entrada no porto daquela cidade.

Uma das novidades desta JMJ é que o Santo Padre enviará, todos os dias, uma mensagem de texto para os telemóveis dos participantes nas Jornadas.

O Santo Padre celebrará a Santa Missa na capela da residência onde descansa da viagem.

O Card. George Pell, Arcebispo de Sydney, deu uma conferência de imprensa na qual falou sobre a importância da presença de Deus na sociedade e a responsabilidade civil de todos os cristãos.

13.7.08

Santo Padre concede entrevista

O Santo Padre concedeu uma entrevista aos jornalistas enquanto efectuava a viagem até à Austrália.

Respondendo às perguntas que lhe foram colocadas, o Papa Bento XVI assinalou que a Jornada Mundial da Juventude 2008 será uma festa de alegria "entre jovens reunidos pelo desejo de Deus".

Respondendo a cinco jornalistas, durante uma conferência de imprensa iniciada apenas meia hora depois de partir de Roma, o Pontífice assinalou que olhava o futuro da Igreja na Austrália com muito optimismo e confiança no futuro.

Em relação à JMJ, o Pontífice assinalou que "assim como Colônia, também Sydney será uma festa de fé, um encontro humano em Cristo que abre as fronteiras e cria união entre as culturas. Uma festa que gera alegria entre os jovens unidos pelo desejo de Deus"

Respondendo logo a uma pergunta sobre a questão ambiental, o Pontífice antecipou que a temática ecológica "estará muito presente nesta viagem".

In ACI Digital

Ler mais >>

Santo Padre chegou a Sidney


O Santo Padre aterrou em Sidney por volta das 15.00h portuguesas.

Como habitualmente, o Santo Padre tinha enviado uma vídeo mensagem aos jovens australianos, nos quais lhes dizia que "muitos jovens não têm esperança. Permanecem perplexos diante das questões que lhes são apresentadas de modo cada vez mais urgente neste mundo que os confunde. Muitas vezes, ficam na dúvida, não sabem a quem se dirigir para encontrar respostas. São desafiados pelos argumentos daqueles que negam a existência de Deus e se desnorteiam, não sabem como responder. Vêem os grandes estragos causados pela avidez humana ao meio ambiente, e lutam para encontrar um modo de viver em harmonia com a natureza e com os outros. Aonde podem procurar as respostas? É o espírito que os orienta para o caminho que conduz à vida, ao amor e à verdade". Eles são chamados a ser instrumentos de renovação, comunicando a seus coetâneos a alegria que sentem em conhecer e seguir Cristo, e compartilhar com os outros o amor que o Espírito derrama em seus corações, de forma que eles também se inundem de esperança e gratidão por todo o bem que se recebe de Deus, nosso Pai".

Nesta viagem, a nona de Bento XVI ao estrangeiro, o Papa é acompanhado pelos Cardeais Angelo Sodano (Decano do Colégio Cardinalício), Tarcisio Bertone (Secretário de Estado do Vaticano) e Agostino Vallini (Vigário para a cidade de Roma).

Como anunciado, até à próxima Quinta-feira o Papa ficará no Kenthurst Study, Centro de retiros e formação do Opus Dei.

A JMJ será inaugurada, sem a presença do Papa, pelo Cardeal Pell, Arcebispo de Sidney, na Terça-feira, 15 de Julho.

Quinta-feira, 17, o Papa será recebido no Government House pelo primeiro-ministro australiano. Depois, como está previsto, seguirá para o Mary Mackillop Memorial (dedicado à primeira beata australiana), e de lá para Rose Bay, onde está previsto que seja acolhido por um grupo de jovens indígenas, antes de entrar na embarcação Sidney 2000, até Bangaroo.

A Santa Sé destacou, entre os diversos encontros previstos, os de 18 de Julho na catedral de Santa Maria com representantes de outras religiões e com membros de outras comunidades cristãs não-católicas.

No fim-de-semana de 19 e 20 de Junho, a JMJ-2008 atinge o seu auge com vigília e a Missa no Hipódromo de Randwick, onde são esperados centenas de milhares de jovens. Antes do regresso, a 21 de Junho, o Papa irá encontrar-se com os benfeitores e os voluntários da JMJ.

Segundo o comité organizador central das Jornadas de Sidney, há já 225 mil inscritos, 125 mil dos quais não são australianos; 8 mil voluntários, 2 mil sacerdotes e 700 Cardeais e Bispos.

In Canção Nova e Agência Ecclesia

Programa da viagem do Santo Padre
Uma centena de portugueses na Austrália

Próximas JMJ em Madrid

Segundo rumores cada vez mais insistentes, as próximas Jornadas Mundiais da Juventude poderão ser em Madrid. O Santo Padre revelará o destino no último dia da sua permanência na Austrália.

Santo Padre já chegou à Austrália

O avião chegou no horário previsto a Darwin, onde faz uma paragem para reabastecer antes de continuar viagem até ao Richmond Air Base, onde o Santo Padre será recebido pelas autoridades oficiais e eclesiásticas da Austrália. Depois, seguirá viagem até ao Kenthrust Center, onde ficará alojado até ao dia 17 de Julho.


Vista da casa onde o Santo Padre descansará nos próximos dias, o Kenthurst Study Center, uma casa de retiros e de formação da Prelatura do Opus Dei.

Hino das JMJ 2008 em Sidney

Jornadas Mundiais da Juventude


O Santo Padre Bento XVI chega hoje a Sydney para as Jornadas Mundiais da Juventude, que terão lugar naquela cidade.

"É fundamental que cada um de vós, jovens, na comunidade e com os educadores, possa reflectir sobre este Protagonista da história da salvação, que é o Espírito Santo ou Espírito de Jesus, para alcançar estas altas finalidades: reconhecer a verdadeira identidade do Espírito, em primeiro lugar ouvindo a Palavra de Deus na Revelação da Bíblia; tomar uma consciência límpida da sua presença contínua e activa na vida da Igreja, em particular redescobrindo que o Espírito Santo se põe como "alma", sopro vital da própria vida cristã, graças aos sacramentos da iniciação cristã Baptismo, Confirmação e Eucaristia; tornar-se assim capaz de amadurecer uma compreensão de Jesus cada vez mais profunda e alegre e, contemporaneamente, de realizar uma prática eficaz do Evangelho no alvorecer do terceiro milénio."

Bento XVI, Mensagem para a Jornada Mundial da Juventude

Esta será mais uma visita multitudinária. Mas isso não é o mais importante. A meu ver, o fundamental é a resposta que tantos jovens continuam a dar ao convite do Santo Padre.

Enquanto João Paulo II foi vivo, os meios de comunicação diziam, frequentemente, que a ligação do Papa com os jovens era fruto das suas experiências no teatro. O Papa sabia estar com os jovens.

No entanto, com Bento XVI, o número de pessoas, nomeadamente jovens, que procuram estar com o Papa não só não diminuiu como, inclusivamente, aumentou. E este Papa nunca fez teatro na sua juventude. É sinal que as pessoas e, sobretudo os jovens, procuram o Papa por ele falar de Cristo e indicar caminhos seguros para uma felicidade mais autentica e verdadeira.