19.11.07

Assembleia Geral do Clero de Lamego - Apontamentos


No dia 17 de Novembro, realizou-se a Assembleia Geral do Clero da Diocese de Lamego, convocada pelo Sr. D. Jacinto Botelho, Bispo da Diocese.

O conteúdo deste post inclui as notas que tomei na Assembleia e, por isso, são da minha exclusiva responsabilidade, não sendo, por isso, uma versão oficial da mesma, que será, concerteza, dada pelo Secretariado do Conselho de Presbíteros da nossa Diocese e pelo jornal oficial da Diocese, a "Voz de Lamego".

Pouco passava das 10h da manhã, quando, no Seminário Maior de Lamego, tiveram início os trabalhos da Assembleia Dioceseana do clero da Diocese de Lamego, que começou com a Hora Intermédia, à qual presidiu o Sr. Bispo. Depois da leitura breve, o Sr. D. Jacinto teve uma primeira intervenção. Começou por afirmar que a Assembleia se reunia num momento verdadeiramente providencial, pois decorria poucos dias depois da visita ad limina, decorria na Semana de Oração pelas Vocações e dos Seminários e a poucos dias da celebração do Dia da Igreja Diocesana. Citando o Santo Padre João Paulo II, o Sr. D. Jacinto referiu que a missão do Bispo é ser "princípio e sinal de comunhão, serdes dela artífices pacientes e perseverantes (...)É no seio dos vossos Presbitérios que se prolongará a edificação da comunhão eclesial." E era com esse auspício e nesse espírito, de comunhão do Prelado com os seus sacerdotes e do presbitério entre si, que a Assembleia fazia sentido. E, continuando a citar o Santo Padre, o Sr. D. Jacinto continuou: "Para ser afectiva e efectiva ao mesmo tempo, essa comunhão deve ser procurada e cultivada cada dia. Ela exige esforços de parte a parte e não raro a superação de barreiras e resistências. O testemunho claro e visível desta comunhão é portador de estímulos para a comunhão a outros níveis."
Referindo-se, depois, ao discurso que o Papa Bento XVI dirigiu à Conferência Episcopal Portuguesa, o Sr. Bispo destacou que "a eclesiologia da comunhão na senda do Concílio, à qual a Igreja portuguesa se sente particularmente interpelada na sequência do Grande Jubileu, é a rota certa a seguir".
Por conseguinte, e uma vez que no próximo ano celebra as bodas de ouro sacerdotais, o Sr. Bispo decidiu convidar todos os sacerdotes a tomarem uma refeição consigo, no Paço Episcopal e decidiu, também, participar mais activamente nas estruturas de comunhão na Diocese, marcando presença, por exemplo, nas reuniões arciprestais que reúnem, mensalmente, os sacerdotes.

Depois de terminada a Hora Intermédia, o Sr. Bispo passou a resumir a visita ad limina que o Episcopado português realizou recentemente. Fez um resumo das principais actividades que o ocuparam nos dias em que esteve em Roma, com especial relevo, o encontro pessoal com o Santo Padre. Sobre esse encontro, o Sr. D. Jacinto revelou que o Papa foi muito acolhedor. Bento XVI pediu ao Sr. D. Jacinto que indicasse no mapa de Portugal onde se situa Lamego e o Sr. Bispo pediu a Sua Santidade que desse uma benção especial aos Sacerdotes, Seminários e famílias da sua Diocese, pedido ao qual o Santo Padre acedeu de boa vontade.

Sobre esses dias, o Sr. D. Jacinto referiu que, na Congregação para os Institutos de Vida Consagrada, foi pedido aos Bispos portugueses que fosse valorizado, de modo especial, o Dia do Consagrado (2 de Fevereiro). Na Congregação para a Doutrina da Fé, foi pedido ao episcopado luso que promovam, entre os fiéis, a consciência que o Magistério, nos temas de fé e da moral, não são uma opinião no meio de muitas, mas sim guia seguro do modo de agir dos fiéis.

Depois da intervenção do Sr. Bispo, por volta das 11.00h, o Sr. Pe. José Abrunhosa apresentou o Centro de Estudos Sócio-Pastorais (CESP) da Diocese de Lamego.
O CESP, criado recentemente, foi criado para estudar a realidade da Diocese tendo em vista serem encontradas soluções que permitam uma acção pastoral mais eficaz, com uma maior rentabilização de recursos, a curto, médio e longo prazo.

Nascido do Conselho de Presbíteros, e desejado pelo Conselho dos Arciprestes, este Centro tem os seguintes pressupostos: a realidade da diocese está a mudar rapidamente; a desertificaçao das paroquias; o aumento do indiferentismo religioso e a consequente diminuição da prática religiosa; o secularismo que aumenta nos nossos meios e a debilidade da fé dos nossos cristãos, que possuem pouca formação religiosa e espiritual e dão pouco testemunho.

Com estes pressupostos, o Centro de Estudos Sócio-Pastorais pretende: encontrar uma maior coerência em relação aos meios da acção pastoral; rever a qualidade da evangelização; a coerencia dos espaços pastorais existentes em relação à realidade social da Diocese.

Em seguida, tomou a palavra o Sr. Pe. Paulo Alves, Vice- Reitor do Seminário Menor de Resende e coordenador Científico deste Centro, que passou a explicar o modo de funcionamento do CESP.

O inquérito que se está a fazer, e que foi iniciado nas Paróquias de Resende e da Beselga, que serviram de amostra, tem três níveis: paroquial, arciprestal e diocesano.

A nível paroquial, pretende-se recolher os dados relativos: à população existente (número de habitantes, fogos, eleitores, nascimentos, casamentos e divórcios; estes dados serão facultados pelos Serviços de Registo e Notariado); ao número de Baptismos, Confirmações, Matrimónios e Funerais desde 1980 até à presente data, o número de catequistas e de crianças que frequentam a catequese; ao número de elementos do Conselho Pastoral e do Conselho Económico; e outros dados mais.

Os dados das Paróquias serão, depois, tratados a nível do Arciprestado e da Diocese.

Foram apresentados dois casos práticos, nos quais já foi feita a recolha de dados: as Paróquias de Resende e da Beselga (concelho de Penedono).

O CESP é constituído, actualmente, pelos seguintes elementos:
- Coordenador Geral: Rev. Pe. José Abrunhosa, Pároco de Almacave e Secretário do Conselho de Presbíteros;
- Coordenador Científico: Rev. Pe. Paulo Alves, Vice Reitor do Seminário Menor de Resende;
- Tratamento dos dados: Rev. Pe. Hermínio Lopes, Pároco de Magueija e colaborador nos Serviços Centrais da Diocese;
- Restantes elementos: Dr. Macedo (residente em Ferreiros de Tendais), Rev. Jorge Oliveira (Diácono estagiário na Paróquia de Resende) e o Rev. Filipe Rosa (Diácono estagiário na Paróquia de Penedono).

No final da intervenção do Pe. Paulo Alves, vários sacerdotes deram sugestões ou fizeram algum pedido de esclarecimento de dúvidas.

Ficou ainda estabelecido que os inquéritos, devidamente preenchidos, devem ser enviados ao Pe. Hermínio, para o Paço Episcopal.

Pelas 11.45h, teve início a sessão por grupos. Os sacerdotes presentes (cerca de 70), foram divididos em 4 grupos, por zonas geográficas, para debaterem as seguintes questões:
- Quais as interpelações que se colocam ao presbitério de Lamego, tendo já em conta as palavras que o Santo Padre dirigiu aos Bispos Portugueses, no discurso final da visita «ad limina»?
- Quais as respostas que urge dar às inquietações pastorais da Diocese de Lamego?
- Reconhecendo a importância das Assembleias do Clero, pergunta-se: qual a sua periodicidade? Qual o mês e dia de semana? Quais os temas a tratar? Qual a metodologia a seguir?

Os vários grupos debateram os temas propostos. Em cada Grupo foi eleito um Secretário que tomasse nota das conclusões para, da parte da tarde, serem apresentadas em plenário.

Depois das reuniões de grupo, seguiu-se o almoço, no refeitório do Seminário, findo o qual, houve algum tempo livre.

O plenário reuniu-se por volta das 14.30h. Muitos sacerdotes tiveram que se ausentar, devido aos compromissos pastorais, mas ainda ficou um grupo bastante numeroso de sacerdotes.

No plenário foram apresentadas as várias questões debatidas nos grupos. Foram muitos os temas que foram tocados. Estas questões, depois de postas por escrito, serão enviadas ao Secretário do Conselho de Presbíteros para serem estudadas pelo Sr. Bispo.

Depois de apresentadas as conclusões dos vários grupos, houve ainda tempo para que, os sacerdotes, livremente pudessem interpelar o Sr. Bispo sobre questões que achassem importantes, às quais o Sr. D. Jacinto foi respondendo e dando pistas de solução e de reflexão.

O Sr. Bispo anunciou que vai ser elaborada uma Nota sobre várias questões disciplinares que necessitam uma clarificação. Além disso, revelou que houve uma reunião a nível da Provincia Eclesiástica, para tratar da questão de emolumentos e taxas eclesiásticas, que serão ligeiramente alteradas e que, depois de aprovadas pela Sé Apostólica, entrarão em vigor. Por fim, o Sr. Bispo também pediu que os Sacerdotes participassem no Retiro Espiritual, que decorrerá de 26 a 28 de Dezembro, na Casa de S. José.

Ficou expresso o desejo, por parte de todos, que esta Assembleia se realizasse anualmente.

Créditos
Discurso de João Paulo II ao Episcopado Português (13.05.1982)
Discurso de Bento XVI aos Bispos Portugueses em visita ad Limina
Agência Ecclesia
Asas da Montanha
Theosfera