17.10.07

Fátima

No rescaldo das celebrações dos 90 anos de Fátima, ficaram-me algumas notas:
1. Nossa Senhora falou a 3 pastorinhos e, 90 anos depois, foram cerca de 200 mil aquelas que quiseram estar presentes nas celebrações. Os frutos da graça de Deus não são, no entanto, quantificáveis. Os milhares, talvez milhões, de pessoas a quem já tocou a Mensagem que Nossa Senhora fazem-nos pensar: e se os Pastorinhos não tivessem sido fiéis aos pedidos de Maria? E se tivessem cedido à pressão da família, das autoridades civis para desmentirem o que tinham visto e ouvido?
2. O Congresso realizado pela ocasião destes 90 anos das aparições demonstraram que que a Mensagem de Fátima não perdeu a sua actualidade. Vale a pena conhecê-la e dá-la a conhecer.
3. É verdade que a Basílica teve os seus custos, a arte que a preenche é de beleza e qualidade discutível. É verdade que esse dinheiro podia ser usado para obras de fins caritativos. Vêm-me, no entanto, à memória as palavras de Nosso Senhor: "Pobres sempre os tereis" (Jo 12, 8). A necessidade de promover as confissões num espaço digno, de melhorar as condições onde os peregrinos possam rezar justificam o investimento. Investimento externo (no edifício e no que o constitui) para um investimento na vida interior dos peregrinos. Ainda que só se celebrasse uma Santa Missa ou só uma pessoa se abeirasse do Sacramento da Penitência, teria valido a pena o investimento.
4. O Santuário de Fátima, precisamente pela importância mediática que foi ganhando, tem também a responsabilidade de ser exemplar na liturgia. Se, na parte musical, o comportamento foi de excepção, há outros aspectos (acólitos, tempos de silêncio, ministros extraordinários da comunhão, entre outros) que podiam ser melhorados.