29.11.06

Modos de uma campanha

Começa hoje o periodo oficial de campanha, tendo em vista o referendo ao aborto.

Do ponto de vista legal, o aborto é crime (e continuará a ser mesmo depois do referendo) pois, de um ponto de vista estrictamente juridico, é a morte da vida que se encontra no seio da mãe. É por isso, que o tema do referendo é a interrupção voluntária da gravidez (onde a única vontade que conta é a da mãe: "por opção da mulher") que é a mesma coisa que o aborto, só que não é punível criminalmente, segundo o Código Penal português.

É importante fazer perceber as pessoas que, defender o "não" no próximo referendo não é estar contra ninguém. É, pelo contrário, estar a favor da vida, de toda a vida, sobretudo da mais indefesa.

É, também, estar a favor das mulheres, defendendo um dos dons mais sagrados que têm, que é o de gerar novas vidas, compreendendo que a maternidade, muitas vezes, se apresenta com contornos dramáticos, que é preciso ajudar a resolver. Por isso, dentro deste debate, vale a pena fazer perceber que o aborto, desculpem, a interrupção voluntária da gravidez, não só não é solução, mas sim a fonte de maiores problemas: para a mulher e para a sociedade.

É, por último, estar a favor de um debate sereno, positivo, defendendo a verdade sobre a vida, sobre a mulher e o seu imprescindivel papel no mundo... e o imprescindivel papel de mãe para com a vida que traz no seu seio.

"É imprescindível que o debate sobre uma questão deste alcance decorra com a maior serenidade e elevação. Nesse sentido, apelo a que a campanha que se vai realizar em torno deste referendo constitua uma oportunidade para que se realize um debate sério, informativo e esclarecedor para todos aqueles que irão ser chamados a decidir uma matéria tão sensível como esta." (Presidente da Republica, Comunicação ao país, 2006.11.29