31.7.06

Um ano depois

Um ano depois, dou-Te graças Senhor e, novamente, peço-te desculpa pelas minhas misérias. E peço-te mais: mais Graça, mais desejos de conversão própria, mais Amor, a Ti e, por Ti, a todos aqueles que passam por mim.
Possam as pessoas ver, através de mim, um raio da Tua luz, um pouco de calor da Tua infinita misericórdia.
Que, apesar de mim, apesar de mim, Te reconheçam como o Senhor das suas vidas e, que os meus defeitos, as minhas fraquezas, os meus fracassos nunca sejam ocasião de as pessoas se afastarem de Ti. Pelo contrário, sejam ocasião para rezarem mais por mim e, desse modo, reconhecerem que nada é mérito meu: a honra, a glória e o louvor são todos, todos teus, Senhor da minha vida.

29.7.06

Sacerdócio

Todos os anos, alguns jovens e outros menos jovens, decidem comprometer a própria vida no sacerdócio.
Este compromisso não surge do nada. Pressupõe uma caminhada de vários anos, de estudos filosófico-teológicos, de aprofundimento humano e espiritual.
O caminho está sempre cheio de encruzilhadas, de dúvidas, de dificuldades. Nesses momentos, somos tentados a sentir-nos como os apóstolos no barco que é açoitado por ventos impetuosos. Mas, assim que recuperamos a presença de Deus, assim que fazemos a experiência do perdão e da sinceridade na direcção espiritual, as dúvidas vão-se transformando em certezas, as dificuldades transformam-se em oportunidades de robustecer a decisão e as encruzilhadas transformam-se em ocasião de amadurecer a vontade.
No dia da ordenação diaconal, assume-se a obrigação do celibato. Ao contrário do que muitos, sobretudo os que o não vivem, possam afirmar, o celibato não é uma obrigação. Não é um "não poder", mas sim um "poder amar a Cristo com um coração indiviso". É um poder amar a cada pessoa como Cristo ama. Só quem passa por essa experiência, consegue perceber como o coração vai crescendo até amar cada pessoa, deixando o próprio egoismo de lado. Não é fácil. Nunca foi e nunca o será. Mas é possível!
A ordenação sacerdotal não é um fim em si mesma. É, pelo contrário, o momento em que se inicia um de dois caminhos: ou o caminho da santidade, ou o caminho da mediocridade.
O facto de Deus querer usar as minhas mãos, a minha voz e a minha vontade para se prender num pedaço de pão por amor dos homens é um dom do qual não sou digno, que eu, na minha miséria, não mereço. É Ele que continua a dar esse dom, todos os dias, a todos os sacerdotes.
Hoje, no dia em que nascem três novos irmãos no sacerdócio, em que esta família presbiteral se alarga, rezo pela fidelidade daqueles que dentro de poucas horas receberão este dom.
E, conservo na memória as palavras que eu próprio ouvi:
"Toma consciência do que virás a fazer;
imita o que virás a realizar;
e conforma a tua vida com o mistério da cruz do Senhor"

28.7.06

Diálogo ecuménico

A Conferência Mundial Metodista, que congrega cerca de 70 milhões de fiéis, aderiu à Declaração conjunta sobre a doutrina da justificação, assinada em 1999 pela Igreja Católica e pela Federação Luterana Mundial.
Esta declaração eliminou o principal elemento teológico de divisão entre católicos e luteranos e metodistas.
Apesar de ter passado quase despercebido, este passo concreto é muito importante, pois faz cair um muro teológico que não permitia que se pudessem debater outras questões, também importantes.
Ao mesmo tempo, revela o real interesse de todas as partes em chegar à unidade, também visível, pedida por Cristo a todos os seus discípulos.

Mais informações em:
Asia News
ICN Network

Se ele acredita... eu também

Através do Adro, fiquei a conhecer este projecto, que dou também a conhecer.

A Casa João Cidade é uma Associação socio-terapêutica, nascida para acolher pessoas com deficiência mental. Será constituída por casas onde grupos de pessoas com deficiência viverão em ambiente familiar e por um bloco de “oficinas”, onde funcionarão uma série de ateliês e actividades, no quadro da socio-terapia curativa, pensadas para responder às necessidades específicas destas pessoas.A construção das oficinas está quase terminada. As residências virão a seguir.É aqui que tu entras. Sim, tu, que estás a ler isto! Não queres ajudar? Vai lá fazer uma visita e verás que há lugar para ti, por exemplo no Clube dos Mil.
E se não puderes participar pessoalmente, divulga a ideia. Eu acredito neste projecto.

23.7.06

Pastores

"Diz o Senhor: «Ai dos pastores que perdem e dispersam as ovelhas do meu rebanho!». Por isso, assim fala o Senhor, Deus de Israel, aos pastores que apascentam o meu povo:
«Dispersastes as minhas ovelhas e as escorraçastes, sem terdes cuidado delas. Vou ocupar-Me de vós e castigar-vos, pedir-vos contas das vossas más acções."

Jer 23, 1-2
Dentro da vida de um sacerdote, o exame de consciência diário ocupa um lugar fundamental. É nesses breves minutos que contemplamos o que Deus quer de nós e qual foi ou está a ser a nossa correspondência. Não é um exercício narcisista de introspecção psicológica. É, sim, uma necessidade de amor.
«Tem sinceridade "selvagem" no exame de consciência; quer dizer, valentia. A mesma com que te olhas ao espelho, para saber onde te feriste ou te sujaste, ou onde estão os teus defeitos, que tens de eliminar.»
S. Josemaria Escrivá, Sulco, 148

22.7.06

Credo, Domine, sed credam firmius!

"Não permitais que o tempo, que o Senhor vos dá, transcorra como se tudo acontecesse por acaso. S. João disse-nos que tudo foi feito em Cristo. Por isso, acreditai fortemente n'Ele. Ele guia a história tanto dos indivíduos como da humanidade. Cristo respeita certamente a vossa liberdade, mas, em todos os acontecimentos aprazíveis ou amargos da vida, não cessa de pedir-nos que acreditemos n'Ele, na sua Palavra, na realidade da Igreja, na vida eterna!

Por isso, nunca penseis que, a seus olhos, sois uns desconhecidos, um simples número duma multidão anónima. Não, cada um de vós é precioso aos olhos de Cristo; Ele conhece-vos pessoalmente, ama-vos ternamente, mesmo quando não vos apercebeis disso."

João Paulo II,
Rito de acolhimento dos jovens, 15.08.2000
Desta citação tocou-me o facto do Santo Padre ter pedido aos jovens para acreditarem na realidade da Igreja. Não de uma Igreja feita à minha medida, como eu acho melhor, mas sim na Igreja fundada por Jesus Cristo, que subsiste, segundo o Concílio Vaticano II, na Igreja Católica (cfr. Const. Lumen gentium, 8).
Ao ler os vários comentários ao recente encontro das famílias, em Valência e, mais em geral, nas atitudes perante a Igreja, não critico quem quer que seja. Mas tenho repetido para mim mesmo e como oração ao Senhor: Credo Ecclesiam unam, sanctam, catholicam, apostolicam!

Recomeçando

Depois de algum tempo sem acesso às auto estradas da comunicação, declaro novamente reaberto este blog.
Peço desculpa aos que foram deixando comentários ao longo das últimas semanas. Depois de as ler, decidi não as publicar por já ter passado o contexto em que foram escritas. Espero que me perdoem esta decisão.