7.6.06

A liberdade

"Na parábola do filho pródigo estão ligados os temas da vida e da liberdade.

O filho que parte de casa quer a vida e, por isso, deseja ser totalmente livre. Ser livre significa, segundo a sua visão, poder fazer tudo aquilo que quer; não ter que aceitar qualquer critério fora ao acima de si próprio. Seguir somente o próprio desejo e a própria vontade. Quem vive deste modo, rapidamente se confrontará com o outro, que deseja viver desse modo. A consequência natural deste conceito egoístico de liberdade é a violência, a destruição mútua da liberdade e da vida. (...)

A liberdade e a responsabilidade vão a par e passo. A verdadeira liberdade demonstra-se na responsabilidade, num modo de agir que assume a corresponsabilidade pelo mundo, por si próprio e pelos outros.

Livre é o filho, a quem pertencem as coisas e que, portanto, não permite que seja destruída. (...) O Espírito Santo torna-nos filhos e filhas de Deus. Ele eleva-nos à própria responsabilidade de Deus pelo mundo, por toda a humanidade. Ensinanos a olhar o mundo, o outro e nós próprios com os mesmos olhos de Deus. Não fazemos o bem como escravos, que não são livres de agir de outro modo, mas fazemos o bem porque trazemos dentro de nós a responsabilidade pelo mundo; porque amamos a verdade e o bem, porque amamos o próprio Deus e, portanto, também as suas criaturas."

Bento XVI,
Homilia na Celebração das Vésperas da Vigília da Pentecostes, 05.06.2006